FARAÓ 1

01/05/2012 22:33

Ciência misteriosa dos faraós: parte 1

19 de março de 2009 | Comente!
Luis Dufaur
  •  
  •  
  •  
  •  

Nos 150 anos de Darwin, o evolucionismo faz sua festa.

Mas, eis que os estudos de um sacerdote astrônomo, comparando a “Ciência Misteriosa dos Faraós” com os dados da teologia e da História Sagrada, mostra que os antiquíssimos monumentos do Egito são obras de um povo de altíssimos conhecimentos que só poderiam vir de Adão.

Por mais essa razão a humanidade não pode ter origem em algum símio. Mas sim do homem que teve o conhecimento mais completo da natureza – Adão – confirmando a teologia de São Tomás. Conheça mais neste primeiro artigo de uma série que promete ser apaixonante.

Pirâmide de Quéops

Com freqüência ouve-se falar das pirâmides do Egito. Associa-se a elas muitos mistérios. Alguns soam verossímeis, outros obscuros, e outros meras patacoadas.

Por um lado, o tema é explorado por uma literatura de rodoviária. Ponhamos de lado estes subprodutos da superstição e do sensacionalismo jornalístico.

Por outro lado, o assunto é arduamente estudado por altos cientistas, num patamar freqüentemente muito difícil de acompanhar.

De fato, o mistério das pirâmides envolve dogmas da religião cristã e algum dos passos fundamentais da história da Humanidade. Mas, nós não vemos aparecer do lado católico quem aborde as questões levantadas pelos grandes monumentos do Egito antigo.

Entretanto, se bem analisados à luz da ciência e da fé, eles têm muita coisa para revelar.

 

Quais coisas? Quão importantes?

A NASA deu o nome do padre cientista a uma cratera de Marte.

Um sacerdote apaixonado pela astronomia, o Pe. Théophile Moreux(1867-1954), membro da Academia Pontifícia de Ciências, criador de dois observatórios astronômicos na sua cidade natal – Bourges, na França -, escreveu incontáveis obras de divulgação científica que o tornaram célebre pela sua precisão. A NASA deu o nome do padre cientista a uma cratera de Marte. (foto ao lado)

Para honrar a memória de seus excelentes trabalhos, foi montada uma exposição especial - “Un curé chez les savants” - no museu da própria Bourges.

A Sociedade Astronômica da França dedicou-lhe prestigiosa homenagem na sua revista L´Astronomie de junho de 2004 , com destaque na capa e na editorial da publicação.

O Pe. Moreux fez algo único: estudou os monumentos egípcios antigos de um ponto de vista estritamente científico. Depois, conferiu os resultados com a Teologia e a História Sagrada.

Dessas comparações saíram concordâncias de deixar pasmo.

Por quê?

Para responder, entramos nos mistérios.
 Se os antiqüíssimos egípcios foram um povo de altíssimos conhecimentos científicos – coisa que não é mais posta em dúvida – de onde tiraram eles toda essa sapiência?

Porque, dir-se-ia que se o homem descende do macaco, quanto mais antigos os povos, mais deveriam ser primitivos.

Porém, eis um povo da gentilidade que ingressa na História ostentando uma ciência que os homens modernos empenham imensos esforços, técnicas e dinheiro para obter.

Mas, se os homens não descendem por evolução de um símio, e sim de Adão, homem perfeito e acabado, muitas coisas se explicariam.

De Adão, a teologia diz que Deus lhe infundiu a ciência de todas as coisas que os homens deviam conhecer para fundar as civilizações que cobririam a Terra.

Nesse caso, Adão teria sido o homem que melhor conheceu a natureza, ordem do Universo e seus segredos.

Sobre a ciência de Adão ensina São Tomás de Aquino na acatada Suma Teológica:

“o primeiro homem (…) também foi feito perfeito na sua alma para que pudesse instruir e governar aos demais.
“Porém, ninguém pode instruir sem possuir ciência. Por isso mesmo, o primeiro homem foi criado por Deus de maneira que tivesse ciência de tudo aquilo em que o homem pode ser ensinado. Isto é, de tudo o que existe virtualmente nos princípios evidentes por si mesmos; isto é, de tudo o que o homem pode conhecer naturalmente”. (São Tomás de Aquino, “Suma Teológica”; I, q. 94) Fonte (em espanhol).

Se foi assim, é razoável supor que Adão contou a seus descendentes aquilo que sabia. E estes o foram transmitindo de geração em geração a seus respectivos filhos, como uma tradição oral herdada do primeiro pai.

Cristo resurrecto tira Adão do limbo dos justos para levá-lo ao Céu. Fra Angelico

Nesse caso compreende-se que as civilizações mais antigas conhecessem o fundamento mais profundo de muitas coisas. Fundamentos esses que não foram descobertos em laboratório, mas que foram comunicados por Deus como primeiro impulso à civilização que Adão e sua progênie deviam construir.

Ainda nessa linha de pensamento, seria preciso acrescentar que essa transmissão sofreu interferências que a deformaram.

Pois houve a realidade histórica da decadência desses povos antiqüíssimos. Na medida em que passava o tempo, os conhecimentos iam se perdendo, ou se corrompendo. Entraram, então, a superstição, o politeísmo, os vícios morais…

Então se compreenderia que alguns dos detentores dessa sabedoria recebida por Adão, tivessem querido deixar inscritos em pedra os seus precisos conhecimentos antes de serem engolidos pela confusão.

Se for assim, as pirâmides não seriam, então, símbolos monumentais de restos importantes dessa ciência que Deus deu a Adão?

Eis a grande questão que o Pe. Moreux abordou num livro famoso. Este livro, quase um século depois de publicado, merece ainda muita atenção: “A Ciência Misteriosa dos Faraós” (Pe. Théophile Moreux, “La Science Mystérieuse des Pharaons”, Librairie Octave Doin, Gaston Doin éditeur, Paris, 1925, 238pp.).

O tema é apaixonante, subtil, complexo e extenso… Pretendemos tratá-lo em vários artigos sucessivos.

Fonte: Blog Ciência confirma a Igreja 
http://cienciaconfirmaigreja.blogspot.com/