Apostasia

22/04/2012 08:57

Apostasia: Igreja católica cria imagem de "santa" para cativar indígenas

 

 

Notícia:

 

A Arquidiocese de Manaus apresentou aos fiéis uma imagem de Nossa Senhora e do menino Jesus com traços indígenas.

 

Chamada de Nossa Senhora da Amazônia, a imagem foi feita pela designer Lara Denys, 23, vencedora de concurso para retratar a santa com "características da cultura da região amazônica".

 

Na imagem, Nossa Senhora e Jesus têm cabelos e olhos pretos e pele parda. O manto dele está preso ao corpo dela, da mesma forma que as índias carregam seus filhos.

 

Segundo o coordenador do concurso, padre Reneu Stefanello, será construída a sua estátua no santuário que está sendo erguido em Manaus.

 

"Ela tem os traços da feminilidade da mulher amazonense, da mulher indígena. Traz no colo um Jesus curumim", afirma ele.

 

Para o antropólogo Ademir Ramos, da Universidade Federal do Amazonas, a imagem é uma estratégia para evitar a perda de fiéis para os protestantes pentecostais.

 

"A Igreja Católica quer passar a identificação entre o devoto e o santo. Como o fiel vai devotar uma santa branquinha de olho verde?", indaga.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br

 

Monumento em honra a João Paulo II é erguido em Moscou

Um monumento em honra ao falecido papa João Paulo II foi inaugurado nesta sexta-feira na Universidade de Literatura Estrangeira de Moscou, segundo fontes da Catedral da Imaculada Conceição da capital russa.

 

"Não é um segredo que o papa gostava muito da Rússia e acreditava poder visitá-la, o que nunca aconteceu", disse um porta-voz da maior catedral católica russa à agência "Interfax".

 

Por outro lado, acrescentou, agora "já não há nenhuma fronteira política ou de outro tipo que impeça a comunicação espiritual com a qual recorrer pela sua intercessão".

 

João Paulo II, que é considerado uma das figuras históricas que contribuiu em maior medida para a queda do comunismo desde sua escolha em 1978, manteve durante seu mandato uma tensa relação com a Igreja Ortodoxa Russa.

 

O anterior pontífice, que foi beatificado em maio passado, enfureceu o Kremlin ao reorganizar a Igreja Católica na Rússia criando quatro dioceses e ao impulsionar o renascimento da Igreja Católica de rito oriental da Ucrânia, conhecida como Uniata.

 

De fato, o presidente russo, Vladimir Putin, ao contrário do que fizeram seus antecessores no Kremlin, Mikhail Gorbachev e Boris Yeltsin, nunca convidou o papa a visitar Moscou e foi um dos poucos chefes de Estado que não foi a seu enterro.

 

As relações entre a IOR e o Vaticano, que conta com cerca de 600 mil fiéis neste país, melhoraram notavelmente desde a morte do papa polonês e a ascensão de Bento XVI.

 

Contudo, o atual pontífice ainda não recebeu autorização para visitar este país, já que a Igreja Ortodoxa ainda acusa a católica de proselitismo.

 

Fonte: Uol

 

O Papa Bento XVI se diz preocupado com o avanço de igrejas pentecostais

 

 

O papa Bento XVI disse nesta sexta-feira que as igrejas cristãs históricas estão "perplexas" e preocupadas com o avanço das igrejas pentecostais, e convidou os protestantes a trabalhar junto com os católicos para testemunhar a fé em um mundo secularizado.

Joseph Ratzinger fez esta declaração em um encontro com os representantes do Conselho da Igreja Evangélica Alemã (EKD) em Erfurt, cidade onde Martinho Lutero (1483-1546) foi ordenado sacerdote católico em 1507, antes de liderar a reforma protestante, em 1521.

Esta viagem do Papa à sua Alemanha natal tem um caráter ecumênico. Foi por vontade de Bento XVI que o encontro aconteceu no antigo convento onde Lutero estudou. De acordo com o Papa, a única paixão e o centro da vida de Lutero foi Deus.

Nesta sexta-feira o Papa defendeu que o mais necessário para o ecumenismo é não perder as grandes coisas que têm em comum.

"A coisa mais importante para o ecumenismo é que, pressionados pela secularização, não percamos as grandes coisas que temos em comum, aquelas que nos fazem cristãos e que temos como dom e tarefa", afirmou.

"Foi um erro ter visto majoritariamente aquilo que nos separa e não ter percebido de forma essencial o que temos em comum nas grandes pautas da Sagrada Escritura e nas profissões de fé do cristianismo antigo", acrescentou.

O Papa defendeu que os cristãos reconheçam a comunhão como um fundamento imperecível. "Infelizmente, o risco de perdê-la é real. Nos últimos tempos, a geografia do cristianismo mudou profundamente e continua mudando".

O Papa Ratzinger afirmou que este fenômeno mundial de mudança traz um cristianismo com pouca densidade institucional, pouca bagagem racional e pouca estabilidade. Por isso, ele defende a obrigação de questionar o que permanece válido e o que pode ser mudado na opção pela fé.

Após o encontro, Bento XVI e os líderes religiosos protestantes farão uma celebração ecumênica, quando um bispo evangélico lerá o salmo 164 na tradução feita por Lutero, na qual expressa a vocação cristã comum para louvar a Deus.

O Papa fará uma oração para a unidade dos cristãos, e o presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, cardeal Kurt Koch, fará uma prece sacerdotal e recitará a oração do pai-nosso.

Fonte: http://noticias.terra.com.br

 

Igreja Presbiteriana da Escócia vai ordenar pastores gays e abençoar união entre pessoas do mesmo sexo!

Um pastor da Igreja Presbiteriana da Escócia, diz que provavelmente renunciará depois que a denominação deu mais um passo para permitir a ordenação de pastores homossexuais ativos e assumidos nesta semana, com indicações de que até analisarão a possibilidade de abençoar uniões de mesmo sexo.

 

“Estamos nos rendendo à sociedade… É um dia triste para a Escócia”, disse o Rev. Roddy MacCrae, pastor em Glenelg e Kintail, para o jornal Christians Together. “Eu provavelmente serei um dos que estarão deixando a Igreja da Escócia, e durante os próximos meses estarei decidindo isso. Meu problema é que nosso testemunho está enfraquecido. A sociedade sabe que estamos indecisos e que não temos nenhuma voz moral”, acrescentou ele.

 

A Assembleia Geral, o órgão governante da denominação, instituiu uma moratória de 2 anos em 2009 na ordenação de pastores que estão em relacionamentos de mesmo sexo e na discussão pública da questão, pois na última segunda-feira 23/05/2011, eles votaram 351 a 294 para “considerar mais a eliminação da moratória” e criaram uma comissão teológica que preparará um relatório sobre a questão para a reunião de 2013 da Assembleia Geral.

 

A comissão teológica também considerará “se os pastores deveriam ter a liberdade de consciência de abençoar parcerias civis e possível liturgia para tais ocasiões”, observa um comunicado à imprensa da Igreja da Escócia, também conhecida como Kirk.A Assembleia Geral também votou para que pastores homossexuais ordenados antes de maio de 2009, tenham agora autorização para assumir responsabilidades pastorais.

 

 

A moratória de 2009 ocorreu depois de uma controvérsia violenta que acabou levando à decisão da Assembleia Geral de aprovar a nomeação do homossexual assumido Scott Rennie como pastor da Igreja Cruz da Rainha em Aberdeen, onde ele havia sido casado por cinco anos e tinha uma filha, mas na época de sua nomeação estava num relacionamento estável com um homem.

 

O Rev. David Arnott, moderador da Assembleia Geral, disse que a mudança desta semana “está analisando a possibilidade de inclusão de homossexuais no pastorado”, mas que “por enquanto nenhuma decisão foi feita”. Falando acerca dos que estão transtornados com a decisão, ele disse: “Estou ciente de que muitas pessoas estarão sofrendo hoje e a Igreja da Escócia tem um dever pastoral de cuidar dessas pessoas e lhes mostrar amor e compaixão”.

 

 

A mudança foi celebrada pelo Stonewall, uma organização homossexual de pressão política e legal, cuja filial escocesa disse que esperam que a decisão “sinalize o início da Kirk, demonstrando compromisso para com a justiça, igualdade e dignidade nessa questão”. “Embora estejamos aguardando decisões adicionais da Assembleia e detalhes sobre os próximos passos, esperamos que daqui a 30 anos essa mudança seja vista como uma tempestade em copo de água”, disse o diretor Carl Watt. Entretanto, membros evangélicos e conservadores da Kirk estão protestando. Um relatório recente indicou que cerca de 100 mil membros e 20 % dos pastores e presbíteros abandonarão em protesto se a denominação permitir pastores homossexuais.

 

Nas deliberações, o Rev. Andrew Coghill recebeu altos aplausos quando assemelhou a mudança da Assembleia Geral a uma “granada de mão”, de acordo com o jornal Christian Post. “Estão nos pedindo para tirar o pino da granada. A igreja vai explodir em pedaços”. No início deste mês, a Igreja Presbiteriana dos EUA - formalmente aprovou a ordenação de homossexuais - depois de uma batalha que durou décadas. A denominação votou para eliminar a exigência de que pastores devessem permanecer em “fidelidade no pacto do casamento entre um homem e uma mulher, ou castidade em sua vida de solteiro”.

 

Fonte: Gospel